Punta del Este fora de temporada: sim ou não?!

Visitei Punta em setembro, época em que tudo por lá está meio às moscas, muitas casas noturnas fechadas, pouca gente nas ruas e um vento de cortar a alma! Como o foco da viagem não era praia, acho que eu não poderia ter escolhido época melhor, já que o frio veio acompanhado de tranquilidade e trânsito livre.

Punta del Este

Fomos pra lá de ônibus a partir de Montevidéu, em uma viagem de aproximadamente 2h. Havíamos reservado previamente hospedagem no hostel “El Viajero”, que fica quase ao lado da rodoviária, mas sabe a lei de Murphy?! Pois é… Quando chegamos estava caindo uma tempestade, então fomos obrigadas a pegar um táxi, que obviamente nos explorou, cobrando 400 pesos pra andar cerca de 500m!!! Enfim…

Nessa primeira noite apenas saímos pra jantar, optamos pelo restaurante “Nueva Avenida” que é bem próximo ao hostel, a comida ali é muito boa e o preço razoável, considerando o “padrão Punta” (sempre mais caro que o das outras cidades do Uruguai).

Teríamos apenas o dia seguinte pra conhecer o balneário, então decidimos fazer um tour que nos levaria aos principais pontos da cidade e terminaria em Punta Ballena, com a visita à Casapueblo. O valor do passeio foi US$ 25 e considerando o pouco tempo disponível, acho que foi uma boa ideia.

Como o tour teria início apenas no começo da tarde, utilizamos a manhã para caminhar pela orla e explorar a região. Nossa primeira parada foi na escultura “La Mano”, também conhecida como “Monumento al Ahogado” (Monumento ao afogado), do artista chileno Mario Irarrázabal. A obra está localizada na “Playa Brava” e diferentes interpretações podem ser atribuídas aos cinco dedos parcialmente visíveis: Uma pessoa sendo tragada pela areia? Alguém saindo das profundezas da terra?! Vale a pena contemplar e tirar suas próprias conclusões… Uma curiosidade é que esse artista criou outra mão gigantesca que está no deserto do Atacama. A mão uruguaia é a direita e a chilena a esquerda, no entanto elas possuem formatos e tamanhos bem distintos.

La Mano

Consegui uma foto de “La Mano” sem ninguém por perto, privilégio que só quem viaja fora de temporada vai ter…

Caminhamos um pouco pela Juan Gorlero, principal avenida de Punta, onde visitamos algumas lojas de artesanato e compramos alguns “recuerdos”.

Juan Gorlero

Voltamos pelo calçadão e ao passarmos pela “Playa El Emir”, que é praticamente uma continuação da Brava, nos deparamos com uma imagem da Virgem de la Candelaria bem no meio da praia, com muitas placas de agradecimento por graças alcançadas fixadas abaixo da estátua. Achei o local de devoção interessante e inusitado.

Virgen de la Candelaria

Ainda tivemos tempo de conhecer um cassino e tentar a sorte! O fato da jogatina estar liberada logo de manhã me surpreendeu… Entramos determinadas a “bamburrar”, mas o máximo que conseguimos foi perder alguns pesos…

Em seguida iniciamos o tour, fomos em uma van cheia de brasileiros beeem animados! Além dos locais que já tínhamos visitado a pé, conhecemos também a “Puente Leonel Vieira”, que possui um formato ondulado e faz a alegria de quem passa por ali de carro, garantindo o friozinho na barriga! Ela conecta Punta ao balneário de La Barra.

Ponte ondulada

Dali seguimos para a “Iglesia de la Candelaria”, que é bem pequena, pintada nas cores azul e branco, muito bem conservada.

Igreja

Naquele mesmo pedaço há outros pontos de interesse, como o Farol e uma “estrela mágica” no chão. Quem subir no centro da estrela e disser alguma coisa, irá ouvir o eco da própria voz, porém, as pessoas a seu redor irão ouvir apenas as palavras, sem o eco. Testei e deu certo!

Farol - Punta

Estrela Punta del Este

Nossa próxima parada foi o ponto de encontro entre o Rio da Prata e o oceano, simbolizado por uma âncora. Por que uma âncora? Vamos lá… Punta, que hoje é tão pacífica, já foi palco de uma violenta batalha naval durante a Segunda Guerra, conflito que ficou conhecido como a Batalha do Rio da Prata, travado entre as marinhas inglesa e alemã. A âncora é justamente o que sobrou do navio alemão, Graf Spee, após a decisão do comandante Langsdorff de afundá-lo, já que o navio havia sofrido avarias e não poderia seguir sem reparos. Essa decisão, seguida do suicídio do comandante, intriga muitos historiadores que acreditam que o navio teria sim condições de vencer a batalha.

Âncora - Punta

Fizemos também uma pausa diante das sereias de feitas com material reciclado. A ideia é bem interessante, mas as obras são frágeis e já estavam bem destruídas devido à ação do tempo.

Sereias

Passamos ainda diante da Fazenda La Pataia, que produz um doce de leite fantástico!!! Mas infelizmente a área destinada à visitação estava fechada.

Pra finalizar seguimos para Casapueblo, onde tivemos o privilégio de contemplar o pôr-do-sol da sacada do Vilaró, mas isso é assunto pra outro post…

Casapueblo

Custos
Passagem Montevidéu – Punta 135 pesos
Tour pelos principais pontos de Punta US$ 25
Diária Hostel* (quarto coletivo misto para 6 pessoas) – US$ 18

*Ficamos 2 noites em Punta, mas pagamos apenas uma. Essa é uma cortesia da rede “El Viajero” para quem se hospedar nas unidades do hostel de 3 cidades diferentes.

Onde ficar

Hostel El Viajero
 www.elviajerobravabeach.com/pt-br/

The Trip Hostel
 www.thetriphostel.com/

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *