Saco do Mamanguá – Apaixone-se pelo mangue!

Esse termo difícil de pronunciar “Mamanguá” surgiu inspirado em uma curiosa formação rochosa da região, bastante semelhante a duas mamas. Bem, pelo menos foi essa a versão “etimológica” que chegou a mim como sendo verdadeira, mas é claro que pode tratar-se apenas de mais um “causo” de pescador. Enfim, além do nome criativo, esse cantinho do litoral fluminense reserva muitas outras surpresas a seus visitantes.

Mamanguá Paraty

Cercado por montanhas e vegetação bem preservada, o Saco do Mamanguá é um braço de mar com 8 km de extensão, ao longo do qual se encontram diversas praias e o maior manguezal da baía de Ilha Grande. Toda a região faz parte da Área de Proteção Ambiental do Cairuçu e as regras para os habitantes são bem rígidas. Não há luz elétrica, a pesca é controlada e novas construções devem ser submetidas à aprovação do órgão responsável. Todo esse rigor, que de certa forma dificulta a vida dos moradores, tem por objetivo manter as características naturais do local.

Manguezal Mamanguá

Chegamos ao Mamanguá após uma trilha de 4 dias, que teve início em Laranjeiras. Passamos pela Praia do Sono, Ponta Negra, Martins de Sá, Pouso da Cajaíba, além de outras pouco conhecidas, mas igualmente belas. É claro que essa foi uma opção, há sim maneiras mais simples de acesso. A forma mais comum é pegar um barco em Paraty Mirim, o trajeto dura 45 min. Outra alternativa é seguir por trilha a partir de Laranjeiras (diretamente para o Mamanguá), o percurso dura cerca de 2h e é bem tranquilo, mas quem optar por esse trajeto deve marcar com um barqueiro no final da trilha, já que ali onde ela acaba não há nenhuma opção de acomodação. De lá até as áreas de camping ou pousadas é necessário seguir de barco por mais 15 min.

Saco do Mamanguá

E toda essa dificuldade de acesso vale a pena? Com certeza! Contemplar o mangue, a vegetação quase intocada e entrar um pouco em contato com a sabedoria dos nativos, são algumas das recompensas pelo esforço.

Refúgio do Mamanguá

Nós tivemos apenas 2 dias no Mamanguá, mas eu ficaria 1 semana tranquilamente, repetindo os mesmos passeios todos os dias sem me cansar… Terminamos nossa trilha em um finalzinho de tarde e seguimos para a pousada Refúgio do Mamanguá, extremamente charmosa e aconchegante, um verdadeiro presente depois dessa trilha pesada! Nesse dia nos dedicamos a tirar a lama do corpo e de nossos pertences (levou tempo!) e em seguida tivemos o privilégio de provar a culinária local em um jantar preparado pela Néia, cozinheira da pousada, que faria muito chefe renomado implorar por suas receitas.

Pousada Refúgio do Mamanguá

No dia seguinte nossa programação incluía um passeio de caiaque pelo mangue, com pausa na cachoeira Rio Grande, que na verdade é uma piscina natural perfeita para banho. Após gastarmos toda a nossa energia remando e nadando, fomos tratar de repor o combustível com o lendário almoço da Dona Gracinha. Tenho que dizer que dessa vez não foi conto de pescador não! A comida da Dona Gracinha é tudo o que falam e mais um pouco! Fomos extremamente bem recebidos pela anfitriã e sua família e tivemos uma tarde muito agradável. Não posso deixar de mencionar a sobremesa, bolinho de chuva! Inesquecível!

Dona Gracinha Mamanguá

No dia da nossa partida teríamos apenas a parte da manhã disponível, já que o check out seria às 14h. Programamos então uma trilha até o Pão de Açúcar do Mamanguá, um pico de onde se tem a melhor vista do mangue. Seguimos de canoa da pousada até a Praia do Cruzeiro (local onde tem início a trilha) dali encaramos uma subida íngreme de cerca de 1h30, mas acreditem, esse esforço todo compensa! O difícil ali é ter vontade de ir embora, a paisagem é tão linda que hipnotiza… Quem nos lembrou do horário foi o nosso estômago! Tínhamos almoço reservado no Seu Orlandinho, proprietário de um restaurante e camping na praia do Cruzeiro. Almoçamos (muito bem!) e devido ao mau tempo, precisamos ser resgatados de barco para retornarmos à pousada, já que voltar de canoa com aquele vento seria perigoso. Resultado, nos atrasamos para o check out! Por sorte, nosso deslumbre de quem visita o Mamanguá pela primeira vez e esquece da vida foi relevado!

Pico do Mamanguá

Onde Ficar
Pousada Refúgio do Mamanguá
www.sacodomamangua.com

As diárias incluem:

• Café da manhã,
• Jantar
• Livre utilização das canoas canadenses
• Traslado de barco Paraty Mirim – Mamanguá

  1. Débora Elisa Rodrigues

    Eu fui !!!!
    Assino em baixo de tudo o que foi relatado. Sou uma pessoa de sorte, pois com certeza a ótima organização e planejamento da trilha, feitas pela Jú, tornaram essa minha primeira experiência inesquecível. Descobri uma nova paixão. Obrigada Jú !!!
    Sigam as dicas, que se darão muito bem !!!

  2. Vendo essas imagens … deu uma imensa vontade literalmente de colocar a mochila nas costas
    e ir morar definitivamente nesse lugar….. puro encontro com a natureza e com pessoas de uma simplicidade impar…. e como vc descreveu já estou encantada por esse paraíso…

  3. Nunca fiz trilha. Está me despertando essa vontade depois dos meus 41anos. Fico lendo, lendo alguns sites. Procurando me encaixar. Gostei muito desse site. Tem uma forma familiar e bem esclarecida de passar as informações. Quero quebrar esse paradigma da minha vida. Moro em Sao Paulo SP. Abraços.

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *