Urubici – Serra do Corvo Branco (de bike!)

A Serra do Corvo Branco foi assim batizada devido à presença abundante de uma ave local, o Urubu Rei, um belo pássaro de plumagem clara, apelidado erroneamente pelos locais de Corvo Branco. O equívoco não foi corrigido e é dessa forma que a serra íngreme, de curvas acentuadas e altitude de 1740m é conhecida até hoje.

Pedal Santa Catarina Urubici

Além do tráfego habitual de veículos que realmente precisam transitar por ela, a serra atrai também inúmeros turistas, que se aventuram em suas curvas apenas para desfrutar a bela paisagem e fotografar o momento.

Minha opção de acesso não foi a mais comum e muito menos a mais fácil, resolvi fazer o percurso de bicicleta! O ponto de partida foi o centro de Urubici e de lá pedalamos por 6h, rodando nesse período 60 km (ida e volta), tudo isso com o objetivo de tornar a visita a esse cartão postal ainda mais especial.

Pedal Serra do Corvo Branco

Um dos pontos de grande interesse do caminho é a passagem pela comunidade de São José. O tempo parece ter parado por ali e observar o gado pastando, os laguinhos contornando a estrada e até os porcos que andavam livremente, ajudou a esquecer um pouco o cansaço.

Comunidade de São José Urubici

Se te disserem que esse pedal é fácil, não acredite! O terreno em 70% do trajeto é asfaltado e nos 30% restantes oscila entre terra e pedras soltas (meu pesadelo!), na opinião de uma iniciante como eu, o grau de dificuldade é bem grande sim! Principalmente na ida, onde as subidas são mais frequentes e longas. Os 3 últimos quilômetros da ida são os piores, muito íngremes e com muita pedra solta, mas a recompensa pra quem resolver enfrentar as pirambeiras é a belíssima vista que a serra proporciona, emoldurada por um corte de 90m, feito na rocha pelo homem, o maior corte rodoviário trincheiro do país.

Serra do Corvo Branco

No período de nossa visita, havia ocorrido uma queda de barragem na serra, tornando-a interditável a partir do ponto do desmoronamento. Porém, o conceito “interditável” é bem relativo e enquanto permanecemos por lá, observamos algumas motos que de forma irresponsável se arriscavam a transpor o obstáculo, correndo o risco de irem parar no fundo do abismo. Felizmente, não presenciamos nenhum acidente.

Serra do Corvo Branco SC

Aproveitamos a pausa pra fazer um lanche e observar aquele presente da natureza. A volta foi mais fácil, mas me pareceu infinita devido ao cansaço acumulado. Nossa chegada foi devidamente brindada com cerveja! A sensação de conquista pessoal se sobrepôs ao desgaste físico e foi realmente muito prazeroso concluir algo que parecia estar tão acima do meu limite.

O local escolhido pra comemoração foi o Emporium Serra do Sol, localizado no centro de Urubici, ponto de encontro de motociclistas, o lugar é bem aconchegante e oferece uma carta de cervejas caprichada, com rótulos nacionais e importados, que podem vir acompanhados de petiscos, lanches e até mesmo algumas opções de pratos.

Emporium Terra do Sol

O trajeto que percorremos é parte do já tradicional “Pedal Serras Catarinenses”, que acontece 1 vez ao ano e está indo para sua 4a edição. Quem tiver interesse (e preparo físico) pode obter maiores informações acessando o link abaixo. São dois dias de pedal bem pesados! No primeiro dia ocorre a subida à Serra do Rio do Rastro e no segundo, o desafio é ir do centro de Urubici até Anitápolis (passando pela Serra do Corvo Branco).

Pedal Serras Catarinenses

  1. Pedalar nas Serras Catarinense é algo indescritível, especialmente a região de Urubici e na região de Bom Jardim da Serra, onde fica o mirante da Serra do Rio do Rastro. Já tive o privilégio de estar nesta região, que assim como você Juliana também pedalei. Sei exatamente o que você tentou expressar neste texto. A região é magnifica e a história da Serra do Corvo Branco é um tanto inusitada.

    Estou seguindo suas postagem. Acho fantástico suas viagens.

Deixe seu Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *